terça-feira, 19 de abril de 2016

24 Horas Strong Run

O titulo deste post tem exatamente o nome da última prova em que participámos e não podia estar mais de acordo com aquilo que envolveu. Desde a organização, passando por todos aqueles que se aventuraram nesta prova todos foram absolutamente Strong!



Pela dimensão do que foi esta prova achei por bem dividir o relato deste fim de semana em vários posts, que irei publicar em várias vezes.

A decisão de participar


Em finais de maio vamos participar (se tudo correr bem) na 3ª Edição do Azores Trail Run no Trail Ultra Faial Costa a Costa // 48km. Como tal achámos que participar numa prova como a Strong Run seria ideal para nos prepararmos da melhor forma possível. Acontece que esta prova é por equipas de quatro elementos e tínhamos que arranjar mais dois elementos. Como por acaso até temos um casal amigo que vai ao Açores connosco, já não havia volta a dar, iríamos fazer 24 horas a correr!


A prova


A prova consistia em percorrer um circuito com aproximadamente 6 kms com zona de alcatrão, calçada (centro histórico da cidade de Loulé) e trilho (cerro de Santa Luzia), durante 24 horas. A participação é por equipas de 4 elementos podendo ser constituída só por elementos masculinos, só femininos ou mista (que foi o nosso caso). No entanto para efeitos de classificação não havia qualquer distinção (não concordo, e mais à frente justifico). O objetivo seria percorrer o maior número de quilómetros nas 24 horas, sendo que apenas um elemento da equipa pode estar em prova de cada vez. A ordem e o número de vezes que cada atleta faz é livre e ao gosto de cada equipa. Por exemplo, pode um só elemento ficar a correr sozinho durante as 24 horas ou então revezar-se a cada volta de 6 kms. No final, desde que ainda não tenha passado as 24 horas ainda pode sair um atleta para fazer mais uma volta desde que não ultrapasse os 30 minutos ou seja às 23:59:59 horas ainda pode sair um atleta para mais uma volta, mas tinha de a fazer, no máximo, em 30 minutos.


O percurso


O percurso, como já mencionei, tem a distância de aproximadamente 6 kms, e aqui aproveito desde já para deixar os parabéns à organização, pois tinha exatamente essa distância, o que nem sempre acontece e se torna bastante frustrante para os atletas que são confrontados com erros de medição de kms. O circuito incluía uma passagem por uma zona mais de trilho e outra pela centro da cidade de Loulé com muita calçada.

A zona do cerro de Santa Lúzia tinha uma subida daquelas que o nosso amigo Luis Santos gosta de chamar "Ai Mãezinha! Cum caraças!" com quase 1 km que nos deixava KO. Tinha ainda trilho com algumas zonas mais complicadas de descidas e subidas. No total tem +/- 140 mts de D+ com acumulado de desnível de 280 mts.
A parte baixa do percurso no centro de Loulé era de calçada mais antiga, muito irregular com ruelas estreitas e curvas de 90º. Passávamos duas vezes pela zona de partida que tinha sempre pessoal da organização, atletas à espera de começar ou a acabar e a zona de abastecimento. No resto do percurso havia dois postos de controlo para além da zona de partida e chegada que tinha controlo por chip.

Altimetria do percurso



Reação do Filipe à primeira volta ao circuito!

A Equipa


A nossa equipa para além de mim e da Tânia que já conhecem era composta pelo casal Rita e Filipe, nossos amigos e colegas de equipa no Clube Oriental de Pechão (por nosso convite ;) )

Com todos os nossos defeitos e virtudes completámo-nos a 100%, tirando o melhor de cada um e superando-nos ao máximo.
Eu sou mais calculista, gosto de ter tudo planeado ao milésimo e fico amuado desapontado quando as coisas não correm bem. Sou capaz de superar os meus limites para provar que estava certo (a parte da superação só a descobri este fim de semana), e "tenho sempre razão e raramente me engano!" é o meu lema...
A Tânia, como a Rita diz, é uma força da natureza, competitiva e persistente, é capaz de não treinar durante um mês por falta de tempo e mesmo assim manter o nível. Pura fibra e raça! A sua única preocupação  é saber "quanto é que tenho de correr?" e pronto é só dizer e ela faz!
A Rita começou a correr à mais ou menos 2 anos, gosta também de ter tudo bem organizado e programado. Por isso foi nomeada a capitã da equipa. Tem o defeito de nem sempre acreditar nas suas capacidades, mas acredito que vai mudar um pouco depois deste fim de semana. É a mais lamejas  do grupo, a lágrima está sempre no canto do olho.
O Filipe também só começou a correr à mais ou menos dois anos mas já dá o bailinho ao velho (que sou eu). É o velocista da equipa, a nossa máquina de correr. Por ele está sempre tudo bem, é na boa, na descontra, sem problema! No entanto é mais empaxado que uma velhinha no supermercado, minha mãe, o homem leva 1 hora para trocar de meias!

Equipa maravilha!
Eu, Ela, a Rita e o Filipe

Preparativos e logistica


Um bom planeamento e logistíca para este tipo de prova pode e faz toda a diferença, quando corre mal a coisa pode complicar ou então fazer alguém amuar, e muito!!!

Comecemos pelo equipamento. Foi preciso levar uma muda de roupa a contar para cada volta planeada ou seja mais de 10 mudas, incluía roupa interior, t-shirts calções, puffs, etc... mais 3 pares de ténis cada um, corta vento e impermeável (pelo menos 2 cada um), roupa para usar enquanto esperávamos pela nossa vez ou descansava-mos, um cem número de artigos indispensáveis tais como carregadores de relógio GPS e telemóveis, óculos, porta dorsais, frontais, etc, etc... uma mala cada um só com roupa mais uma para ténis, sacos cama e tenda, sim porque tínhamos de ficar lá a dormir, nas imediações do local da prova.
A comida foi toda preparada antes e planeado o que deveríamos comer e quando deveríamos comer. Levámos como refeição principal atum com batata doce, cenouras e ovos cozidos. Depois tínhamos maçãs, bananas, pão sem glúten (nos temos uma dieta sem glúten e tentamos  seguir ao máximo o conceito paleolítico, que num post posterior explicarei os benefícios por nós alcançados) e suplementos à base de proteína. Para além do que tínhamos a organização disponibilizava num posto de abastecimento localizado a meio do percurso, fruta, barras energéticas caseiras, água e isotónico, frutos secos, batatas fritas, etc.

Ainda neste capítulo cabe-me falar do planeamento da estratégia de prova em si. E aqui foi uma dor de cabeça. Saber como nos íamos revezar durante a prova, saber os tempos de descanso de cada um, garantir que todos tinham um período de descanso durante a noite e que todos fizessem também uma parte durante a noite foi do mais complicado e de difícil consenso entre todos. Eu e a Tânia queríamos menos saídas para correr, isto é, queríamos fazer turnos mais longos e dar mais voltas seguidas. No entanto a Rita e o Filipe alegavam que iria ser mais desgastante e preferiam menos voltas de cada vez. No final acabou por prevalecer a opinião do Filipe que planeou que faríamos um período de 1 volta (6kms) cada um até às 22 horas (a prova teve início às 16horas de sábado) ou seja, 1:30h de descanso entre cada volta num total de 3 cada um, seguido de um período de 4 voltas (24kms) cada, até às 06:00h de domingo. Aqui já começava a alternar os períodos de descanso, uns com mais, outros com menos. Depois faríamos outro período em que cada um faria 2 voltas (12kms) e o tempo restante ia-mos alternando uma volta cada. Tirámos à sorte a ordem de saída e ficou acordado que seria a Tânia em primeiro depois eu, a Rita e no final o Filipe. No entanto no dia anterior eu fiquei com a sensação que seria o terceiro e não o segundo a sair para correr, na teoria correríamos o mesmo mas os períodos de descanso alteravam. Eu que gosto de "formatar" e planear o que tenho de fazer fiquei possesso da vida quando soube que era segundo. Lá tive de estudar tudo de novo e me adaptar ao planeado por todos.
Parece fácil mas não é. Quando se começa a ponderar os prós e contras de cada situação torna-se difícil tomar a decisão acertada. Mas acabámos por planear tudo em consenso e sem discussão. No entanto, da teoria à prática vai um longo caminho e durante 24 horas muita coisa pode acontecer, e aconteceu!

Continua...

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    ResponderEliminar
  2. Tãoo, mas tão bom! Estas 24horas foram qualquer coisa que não consigo explicar! Acreditem que aqui a fraquinha tem hoje uns limites muito superiores e acredita muito mais nas suas capacidades. Obrigada por isso :')
    Concordo plenamente com as descrições. Como não podia deixar de ser a lágrima esteve aqui!
    Ansiosa pela continuação....

    ResponderEliminar
  3. Um excelente aperitivo! Fico a salivar pelo "prato principal"!

    ResponderEliminar